Publicações Recentes – Livros

É com grande satisfação que divulgamos a publicação da obra “Sentido e significatividade: ensaios hermenêuticos”, do Prof. Dr. Celso R. Braida (PPGFIL-UFSC).

BRAIDA, C. R. Sentido e significatividade: ensaios hermenêuticos. Guarapuava: Apolodoro Virtual Edições, 2021, 256 p.

Sinopse:

“Os ensaios aqui reunidos estão orientados pela necessidade de eliminar da teoria hermenêutica quaisquer resquícios idealistas e transcendentais, sob a suposição da historicidade e praticidade da experiência de sentido. O que é ensaiado é a dupla hipótese de que o conceito de sentido, do ter e do fazer sentido de algo, ato, objeto ou situação, funda-se primariamente no agir e não no sentir, e que esse conceito não implica que isso que faz e tem sentido seja já da ordem do linguístico e do sígnico. Para isso, afastei-me de algumas teses características da tradição filosófica hermenêutica, embora com esse afastamento eu quisesse reforçar e explicitar o caráter hermenêutico de nossas experiências e vivências. Na lumeeira acesa por Schleiermacher e Dilthey, presumo a agência efetiva e a efetividade dos efeitos das coisas feitas como a única base da vigência e da experiência de sentido: o âmbito de sentido perfaz-se no campo de ação de (inter)agentes ativos situados”.

É com grande satisfação que divulgamos a publicação do livro “Iniciação à Hermenêutica: das ações aos sentidos”, do Prof. Dr. Celso R. Braida (PPGFIL-UFSC).

BRAIDA, C. R. Iniciação à Hermenêutica: das ações aos sentidos. Guarapuava: Apolodoro Virtual Edições, 2021, 160 p.

Sinopse:

“Este livro foi escrito para servir de introdução aos estudos hermenêuticos para um público amplo. A ideia diretriz foi a de apresentar os conceitos e teorias que estruturam o paradigma do pensamento hermenêutico a partir de experiências cotidianas e comuns. Nessa estratégia vai embutida a tese de que os termos teóricos são abstrações por sobre práticas e experiências concretas de indivíduos e comunidades. No caso dos termos hermenêuticos básicos, como “sentido”, “expressão”, “significação”, “interpretação” e “compreensão” isso é tanto evidente quanto problemático, pois torna-se difícil apreender os conceitos teóricos que essas palavras designam em cada teoria hermenêutica sem confundi-los com as noções não teóricas a elas associadas no seu emprego cotidiano e vivo da língua. Para eliminar esta ambiguidade, em cada lição, recorreu-se a um conjunto de ações básicas a partir das quais o sentido das palavras torna-se claro. Pois, o sentido e o significado enraízam-se nas práticas e ações de uma comunidade de interagentes ativos e interativos.”

 – DEBONA, V. Ataraxie/Ruhe, praktische Vernunft, Reue (Verbetes). In: Schopenhauer-Lexikon. Hg. von Daniel Schubbe und Jens Lemanski. Paderborn: Brill Fink/UTB-Verlag, 2021.
Divulgamos a publicação do “Schopenhauer-Lexikon”, do qual o Prof. Vilmar Debona (PPGFIL-UFSC) participou como autor convidado, com a escrita de três verbetes – Reue (arrependimento), praktische Vernunft (razão prática) e Ataraxie/Ruhe (serenidade). A obra, publicada pela Brill/Fink – UTB, é uma espécie de “dicionário” dos conceitos fundamentais do filósofo e será usada em escolas de “Ensino Médio” e nos primeiros anos de Universidades na Alemanha. É composta por 200 verbetes escritos por 76 autoras e autores de 18 países. Pode ser lida como uma introdução completa ao pensamento do filósofo ou usada como um livro de referência.